O Guia do Mochileiro das Galáxias

by - quarta-feira, outubro 08, 2014


Não, isto não é uma resenha do livro com o mesmo nome do título deste post. É uma pequena conexão de pensamentos que me ocorreram enquanto lia o primeiro volume desta "trilogia de cinco livros", como é classificada. 

Sabe aqueles livros que fazem você refletir? O guia do mochileira das galáxias é assim, dentro de sua vislumbrante e paradoxal colocação em outro tempo e espaço, com pitadas de comédia e ironia reflete gostosamente sobre política, economia, direitos , deveres e poder. É, acho que ler este livro na atual conjuntura de nosso país me fez pensar em, dentre vários, dois pontos em que se colocam os seres humanos. 

Estamos passando por período eleitoral e a cada marco da sociedade as pessoas se colocam como grandes entendedores. Na Copa do Mundo todos são grandes técnicos de futebol, em grandes eventos de música todos são os melhores compositores de hits, em encontros de juventude religiosa todos são praticantes e nas eleições, não seria diferente, todos entendem que as suas escolhas políticas são as melhores e mais pertinentes. Não vou entrar na discussão sobre a atual conjuntura econômica que se encontra o nosso país, mas, neste momento, todos sabem qual é a melhor saída. Ou melhor, ela sempre é pela esquerda. 

Enfim, mas as pessoas sabem qual realmente é o papel de um Presidente? Não somente em livros teóricos de grandes pensadores encontro reflexões sobre isso. O que Douglas Adams coloca no Guia realmente cabe em nossa atual conjuntura:

"O presidente, em particular, é simplesmente uma figura pública: não detém nenhum poder. Ele é aparentemente escolhido pelo governo, mas as qualidades que ele deve exibir nada têm a ver com a liderança. Ele deve possuir um sutil talento para provocar indignação. Por esse motivo, o presidente sempre é uma figura polêmica, sempre uma personalidade irritante, porém fascinante ao mesmo tempo. Não cabe a ele exercer o poder, e sim desviar a atenção do poder."

Acho que essa nota de rodapé do livro, dedicada em explicar para que serve um presidente, diz muito sobre o que não queremos pensar sobre aquele que nos representa ou que irá nos representar nos próximos quatro anos. Será que tudo é apenas responsabilidade da Presidência da República? São aqueles que são escolhidos por nós que realmente governam o nosso país? Calma! Não entre em pânico! Como diria o Guia. Apenas reflita. 

Um livro da cultura pop pode nos trazer tantas reflexões quanto renomadas obras sobre a economia que não temos a menor vontade de ler, ou conseguimos entender com aquela linguagem quase que subliminar. Deixamos essas bíblias para os momentos da faculdade, onde precisamos absorver e entender essas teorias. Porém, não podemos negar que é a partir desse esforço em entender grandes pensadores que nos faz endoidar de vez e começar a fazer curiosas análises de qualquer outra leitura. 

Até mesmo sobre o segundo ponto que me chamou atenção, e talvez a reflexão sobre este seja puramente mérito do meu trabalho. Lá já escutei tanto sobre a importância de formular bem uma pergunta! Oras, por que surgem tantas discussões mal fundamentadas e pouco relevantes em torno de dogmas que jamais serão explicados? Ou no caso do livro, levar a séculos de discussões e espera por uma resposta que sempre levam a retórica " o que mesmo você quer saber?". Afinal, como teremos respostas sobre "A Questão Fundamental da Vida ,o Universo e Tudo Mais? Talvez, ainda não tenhamos feito a pergunta certa.

Apenas estou refletindo sobre o que uma leitura pode me  proporcionar. Sem delongas e sem explicações. Só não quero deixar que enrolem dentro da minha cabeça.

You May Also Like

0 comentários

Podem comentar, ainda não paga!! Beijo e um queijo!